Bolsonaro terá alta nesta segunda

0
24

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) terá alta na tarde desta segunda-feira (16), informou boletim médico divulgado pelo Hospital Vila Nova Star, na Zona Sul de São Paulo. Ele retorna a Brasília ainda nesta segunda, onde seguirá se recuperando.

O vice Hamilton Mourão permanecerá como presidente em exercício até quarta-feira (18), segundo o Palácio do Planalto.

A primeira previsão era que o presidente retomasse o cargo na sexta-feira passada. Depois, isso foi adiado para terça –na manhã desta segunda, inclusive, Mourão havia dito que ficaria no cargo apenas até esta segunda.

A viagem do presidente para Nova York, onde ocorrerá assembleia-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), foi adiada em um dia: em vez de ocorrer em 22, será no dia 23.

Segundo o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, a mudança na data da viagem não altera a participação de Bolsonaro no evento.

Jair Bolsonaro pode ter alta nesta terça-feira (17)

Veja a íntegra do boletim médico
O Hospital Vila Nova Star informa que o Senhor Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, internado desde o dia 7 de setembro, receberá alta hoje, no período da tarde, após a realização de fisioterapia.

O Presidente continuará sua recuperação em domicílio, devendo seguir as orientações médicas relacionadas a dieta e atividade física, sob supervisão conjunta da equipe médica do Dr. Macedo e da equipe da Presidência da República.

Bolsonaro volta à Presidência na quarta-feira (18)

Alta
Esta foi a quarta operação desde a facada sofrida por Bolsonaro durante a campanha eleitoral de 2018. Desta vez, o objetivo era corrigir uma hérnia (saliência de tecido) surgida no local das intervenções anteriores.

A alta vai ocorrer após sessão de fisioterapia no hospital. “A alta aconteceu em função da melhora dos exames, do trânsito intestinal, da melhora como um todo”, disse no fim da manhã o médico Antônio Luiz Macedo. Segundo o cirurgião, no domingo o presidente caminhou 3 km pelo hospital.

Durante o período de recuperação, o presidente deverá “seguir as orientações médicas relacionadas a dieta e atividade física”, segundo o boletim médico. “A gente prefere que ele fique em repouso em casa e que não faça esforço físico nem esforço de falar demais”, disse Macedo.

Alimentação
A dieta pela veia foi suspensa. Agora, o presidente segue com alimentação cremosa. Segundo o médico, isso ocorre porque “ainda tem um pouco de gás no intestino delgado”. “A dieta cremosa tem calorias suficientes para sustentar. Cerca de duas mil calorias por dia”, disse.

A próxima etapa será a ingestão de alimentos pastosos. “Ele veio com melhora progressiva, foi aceitando a alimentação oral, foi uma evolução que se esperava e os cuidados devem se manter“, disse o porta-voz Barros.

Nesta sexta (20), a equipe médica do Hospital Vila Nova Star irá a outro centro médico da rede D’Or em Brasília para avaliar a recuperação do presidente. “Ele fará exame de sangue e imagem. Se estiver como eu gosto o abdômen, aí eu libero a dieta normal para ele na sexta”, disse o médico Macedo.

ONU
Segundo o porta-voz, está mantida a programação para a participação do presidente na Assembleia da ONU, em Nova York, no dia 24 de setembro. A viagem para a cidade norte-americana, que estava prevista para o dia 22, foi adiada para o 23.

Como de costume, o presidente brasileiro é quem faz o discurso de abertura da assembleia. Segundo Barros, o texto “está sendo promovido a várias mãos”. “O senhor presidente da República tem já entendido ou sinalizado quais são as ideias, quais são os tópicos frasais que devem ser abordados. Mas efetivamente o discurso só estará encerrado um pouco mais adiante quando o senhor presidente, junto com a sua equipe de assessoramento, debruçar-se-á sobre ele e definirá a finalização.”

Após o evento, Bolsonaro e sua comitiva devem seguir para o Texas, onde haverá “uma reunião com industriais, com empresários –alguns deles, inclusive, oficiais generais das Forças Armadas americanas–, e do Texas retornamos ao Brasil”, disse Barros. “Ele retorna no dia 25. O encurtamento é por recomendação médica.”

O porta-voz acrescentou que, no final de outubro, o presidente viajará para Japão, China e Oriente Médio pelo período de 10 dias.